quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Controvérsias...


No meio de tanta complexidade
pensamentos tão extensos
idéias entrelaçadas
opiniões adversas
às vezes me encontro num mar de controvérsias...

Se por um lado eu acredito que deveria ser mais pragmática
por outro o romantismo existencial traz à minha alma uma leveza sobre humana

Às vezes creio que seria tão melhor ser menos "chorona"
mas me lembro do alívio que as lágrimas dão às dores

Poderia talvez não ser tão expansiva
porém, essa expansão que me permite alcanças novos e desconhecidos horizontes

Quem sabe controlar um pouco a dosagem verbal vinda de dentro de mim
só que a expressão me possibilita a descoberta da verdade

Ou então reduzir substancialmente a quantidade de curiosidade
ah, mas e todos os mistérios do mundo a serem desvendados?


Dentre tantas sensações que contracenam em meus pensamentos
os extremos são usuais, rotineiros
fazem parte da composição primária de quem eu sou...

As explosões e as dores que causa às vezes me impelem a querer ser diferente
a eliminar esse sentimentalismo expressivo
mas eles são meus, me fazem ser quem eu sou, singular talvez
ou melhor, peculiar

Conviver com as controvérsias
algumas vezes torturante
outras vezes sublimemente doce
pode não ser tão fácil
mas sem dúvida é um desafio espetacularmente controverso
desafio que pode amedrontar
desafio que pode encorajar
porém, de certo, desafio que eu não deixarei de encarar...


Um comentário:

trovador disse...

Ahh, muito bom o texto ma cheri! Muito bom mesmo! ^^

Nem preciso dizer que me identifiquei totalmente, né?

Mas infelizmente, discordo de ti. Quando está em nós sermos controvérsos, ser uma contradição se torna... Fácil. Dói, claro que dói, nos machuca, mas se faz parte de nós os extremos então ser do jeito que somos não nos altera em nada o sentido das coisas. Caímos numa rotina.
Somos sempre os mesmos.
Nos tornamos previsiveis.
Você vai ficar cética, mas creio que depois vai entender... O mais dificil para os extremistas como nós é buscam o meio termo. Os extremos se anulam, se cancelam. Se é curiosa e negligente com o mistério, por vezes vai buscar saber, por vezes vai deixar pra lá. No fim, o que és? Curiosa ou negligente? Nem um, nem outro.

Seu texto exprime bem quem vc é, quem eu sou, quem Fernando Pessoa era. Mas Pessoa conseguiu algo que nós talvez conseguimos (eu espero conseguir, ao menos): Não ser um com várias enormes lutas interiores, mas ser vários com suas pequenas e casuais discrepancias interiores...

^^

AMOUR!

Que bom que postou, eu via atentamente TODOS os dias teu blog espreitando um post...

Fico feliz ^^
Espero que post mais vezes :*

Au revoir o/